16 abril, 2009

Árvore em brotamento?

O colega Nelson Cunha enviou-me uma mensagem eletrônica com a seguinte pergunta:
O pneumologista amigo já viu isto?

A mensagem se conectava a uma notícia, publicada no G1/Planeta Bizarro, sobre o surpreendente achado de uma cirurgia pulmonar que foi realizada num paciente russo de 28 anos. Acreditavam os cirurgiões que iriam retirar um tumor do pulmão do paciente, quando encontraram uma planta - de cerca de cinco centímetros - "que crescia" no interior desse órgão. Tratava-se de um abeto, uma árvore conífora muito comum na região, e que se originara provavelmente de "uma semente que o paciente inalara".
Resposta
As situações em que sementes são inaladas para a árvore brônquica acontecem com certa frequência. No entanto, como ocasionam complicações pulmonares que dão sintomas, elas acabam sendo retiradas por broncoscopias. Neste caso, cuja extração foi através de cirurgia, e supostamente como já sendo uma pequena planta, duas questões precisam ser esclarecidas:
1) Como a semente de uma planta, que se achava alojada num órgão do corpo humano, conseguiu apresentar condições de germinação em meio a reações humorais e celulares que lhe seriam impróprias?
2) Como essa semente obteve luz solar para a fotossíntese, energia indispensável para que se desenvolvesse até a etapa de planta?
Parece mais plausível se pensar que o achado, ao invés de uma planta em crescimento, seja o de um pequenino galho da própria conífora, que o paciente tempos atrás inadvertidamente aspirou. Como, aliás, algumas das imagens publicadas na internet sugerem ser, quando olhadas atentamente. 
O caso em discussão me fez lembrar o de um paciente local, operado no Hospital de Messejana, cujo exame da peça operatória revelou a presença de um corpo estranho. Consistia de um fragmento de madeira que, após ter acidentalmente penetrado pela parede torácica, fora se alojar num de seus pulmões, onde provocara uma intensa reação inflamatória. A suspeita inicial, antes da cirurgia que esclareceu o caso, havia sido de tumor e o paciente era também jovem.
Na descrição das tomografias de tórax é comum o radiologista empregar a expressão "árvore em brotamento" (vai servir para o título desta nota), mas aí, Nelson,  já estou me distanciando ...

Nenhum comentário: