31 maio, 2014

Fogo no bote

Pedidos de casamento - 2

Pedidos de casamento: 1
Vídeos sobre pedidos de casamento: ♪Funiculi - funiculà♪, ♪Daisy Bell♪, Nem todos odeiam o Power Point, 010011110110100000110... e O Amor e o Terror

As múltiplas vidas do gato

O mito das múltiplas vidas de um gato possivelmente se deve à habilidade com que esse animal consegue escapar das situações de risco. Inclusive das quedas de locais altos em que, girando o corpo enquanto cai, ele consegue chegar ao solo sobre os pés.
No Brasil, Alemanha, Itália, França e outros países, o gato "tem" SETE vidas. Segundo as tradições turca e árabe, "tem" SEIS.
Nos países anglófonos, o gato "tem" NOVE vidas. Senão, vejamos:

Leitura complementar
"Estudos epidemiológicos sobre a expectativa
de vida para gatos, computada a partir de
registros de um cemitério de animais em Tóquio",
H. Hayashidani, Y. Omi, M. Ogawa, e K. Fukutomi.
Nihon juigaku zasshi, (jornal japonês de medicina
veterinária), vol. 51, n. 5, 1989, p. 905-908



30 maio, 2014

Ajudante de obras

-
Tradução: PGCS

Crédito à cama


Nós nunca somos tão virtuosos como quando estamos doentes. Algum um homem doente já foi tentado pela cobiça ou luxúria? Ele não é um escravo de suas paixões nem de suas ambições com a profissão; ele não se importa com a riqueza e se contenta com o pouco que tem, sabendo ainda que pode perdê-lo. É, então, que ele se lembra dos deuses e percebe que é mortal: ele não sente nenhuma inveja, admiração, nem desprezo de qualquer homem: nem mesmo uma conversa insultuosa pode prender a sua atenção ou dar-lhe estímulo para o pensamento, e seus sonhos são todos de banhos e primaveras amenas. Estes são sua única preocupação, o objeto de todas as suas orações, enquanto ele resolve que, se tiver a sorte de se recuperar, vai levar uma vida sóbria e simples no futuro, isto é, uma vida de inocência feliz.
Então, aqui para a nossa orientação, é a regra aquilo que os filósofos buscam expressar em palavras e textos intermináveis: na saúde, devemos continuar a ser os homens que prometemos nos tornar quando a doença levou as nossas palavras.

O Beta

O grego Eratóstenes de Cirene (276 aC. - 195 aC.) foi matemático, geógrafo, poeta, astrônomo e teórico da música.
Ele foi a primeira pessoa a calcular a circunferência da Terra e o fez com uma precisão notável. Sem sair do Egito, Eratóstenes calculou-a em 30.960 km, um erro de apenas 1,6 por cento.
Seus contemporâneos o apelidavam de Beta, a segunda letra do alfabeto grego, pois ele era supostamente o segundo melhor do mundo em quase todos os campos.
Vídeo
Eratóstenes e a circunferência da Terra, apresentado por Carl Sagan
Seja o primeiro a ler:
O SEGUNDO

29 maio, 2014

A questão real




Você quer estar só ou com outras pessoas?
Não, esta não é a verdadeira questão.
A questão real é:
Você quer enriquecer ou virar churrasqueiro?

O símbolo do patriotismo ianque

O que simboliza melhor o patriotismo ianque: Tio Sam ou a águia careca?
A águia careca com a cabeça do Tio Sam!
Patenteada por Mary Harris, em outubro de 1917, esta imagem foi tão assustadora que pôs fim à Primeira Guerra Mundial. Aparentemente.


E o Brasil?
Não é de forma perene nem oficial representado por algum animal. Mas não é por falta de sugestão.

A melhor tarântula da exposição


É claro que a beleza está nos olhos de quem vê, mas a aranha que você vê acima, uma Monocentropus balfouri, ganhou o título "Best in Show" da 29ª Exposição Anual da Sociedade da Tarântula, a britânica "Tarantula Society".
A vencedora deste ano foi uma aranha Blue Baboon da ilha Socotra, de propriedade (a aranha, bem entendido) de Mike Dawkins, um membro recém-admitido à comunidade.
Ela teve de competir com mais de 30 mil tarântulas e seus guardiães entusiasmados oriundos de todas as partes do mundo.
Como nas vezes anteriores, os juízes exigiram a perfeição: comportamento ativo, proporções corretas e coloração de acordo com o tipo, uma camada cintilante etc. Postura também era importante. Todas as oito pernas da aranha deviam estar eretas e perfeitamente equilibradas. Isso mesmo. Você ouviu falar perfeitamente. Todos as oito.
"Quando julgamos uma tarântula, estamos julgando também o seu criador", disse Ray Hale, um juiz veterano na competição.
Saiba mais sobre o evento e sua organização (no ano seguinte, quem sabe) na página da National Geographic News.

28 maio, 2014

Livros especiais


A pensar

O melhor tempo para você pensar sobre os erros cometidos é... quando você está deitado há três horas, naquela noite em que você não consegue dormir.


Aquela resposta que você deu a seu chefe (e ele a interpretou da pior forma possível).
Aquele relatório cheio de erros que você deu encaminhamento.
Aquele papel de bobo que você fez na sala de aula.
Etc.
É definitivamente o melhor tempo para você pensar sobre coisas assim, embora não seja o mais conveniente. Se o que você realmente quer é... dormir.

Coisas cortadas na metade

Quem parte e reparte, e não fica com a melhor parte, é tolo ou não entende da arte?


27 maio, 2014

Um convite de casamento em forma de infográfico

Criação do designer gráfico britânico Jonathan Quintin, esse convite de casamento em forma de infográfico traz uma série de informações sobre o casal Simon e Sarah – onde e quando se conheceram, há quantos dias moram sob o mesmo teto, há quantos já estão noivos e várias coisas que aconteceram no mundo desde que eles estão juntos. Saiu no Laughing Squid.
Débora Schach, Blue Bus

Casar é jogar

O martelo de Thor

Mjölnir, o martelo de Thor é uma arma nobre. Para os modernos adeptos do neopaganismo germânico – também conhecido como Odinismo – representa honra, virtude, auto-suficiência, veracidade e força de caráter pessoal.
Apesar de ser um ícone atraente para os soldados estadunidenses, torná-lo um símbolo de lápide nos cemitérios de veteranos dos EUA não foi uma proeza fácil. Somente em 10 de maio de 2013 foi que o Departamento de Assuntos dos Veteranos, ao fazer uma atualização em sua lista oficial dos emblemas aprovados, acrescentou o martelo de Thor à lista.
Praticamente foi preciso o poder de Thor para obter esse reconhecimento.

Uma pintura colaborativa




Duas pintoras em um trabalho conjunto produziram o quadro ao lado.
Quem são elas?
Mica Hendricks e sua filha de quatro anos.
Tente identificar o que cada uma delas pintou.

www.visualnews.com

26 maio, 2014

Loja de inconveniência

Eu não consigo gastar muito nesse tipo de loja.

O Ripley Scroll

É, na verdade, uma série de pergaminhos. Assim chamado em referência a seu autor, George Ripley, um monge agostiniano do século 15, que praticava alquimia em Yorkshire.
Ele passou quase vinte anos viajando pela Europa, em busca dos segredos da transmutação e da imortalidade, e pelo tempo que ele levou para voltar para a Inglaterra, em 1477, alguns acreditavam que ele os havia encontrado. Alegavam, ainda, que grande parte do dinheiro que ele doou para os Cavaleiros de Malta e Rhodes, para financiar a guerra contra os turcos, veio do ouro que ele tinha transmutado de metais comuns.
O Ripley Scroll mostra, em uma série de gravuras enigmáticas, como criar a lendária pedra filosofal. Para aqueles que não aprenderam alquimia (ou para quem ainda não leu os livros de Harry Potter), esta pedra é o ingrediente-chave para a criação do elixir da vida e para a obtenção do ouro a partir do chumbo.
As imagens do Ripley Scroll são acompanhadas por textos, não menos enigmáticos, que dizem coisas como:
"Você tem que fazer a Água da Terra e a Terra do Ar e o Ar do Fogo e o Fogo da Terra."

Fontes
15 Weird and Mysterious Books, Business Pundit
The Ripley Scroll, The Alchemy Web Site

Correspondência
Sr. Paulo,
É a primeira vez que me deparo com um relato desses de um alquímico agostiniano.
A pedra filosofal, a transmutação e mais são vistas como alegorias. Mas o único que parece que, de fato, conseguira a façanha da transmutação de metais em ouro foi Nicolas Flamel. Aliás, escrevera um livro que se chama O Livro Vermelho. Não confessou, mas a gastança na ajuda das pessoas humildes e da comunidade deu a entender ou ficou implícito isso. Em geral, conhecimento mais herméticos, mas sagrados, mais esotéricos não são divulgados para as pessoas não preparadas. Tendo em vista que sobretudo os governos podem utilizar conhecimentos perigosos para o prejuízo total.
E Conde de St. Germain, que conseguira o elixir da longa vida, mas nesse caso é mais especulação.
Um personagem que detinha um vasto conhecimento puramente esotérico, Paracelso, por prudência só divulgou o permitido, ou exotérico. Esse indivíduo tinha muito conhecimento mesmo.
O que me deixa tranquilo o coração é que tais conhecimentos ou chaves foram perdidos - por enquanto. Que caíssem nas mãos de instituição nazifascista ou governos opressores seria um caos.
Clailton Kitter Ferreira, blogln.ning.com

O bilhete perdido de Einstein

Einstein uma vez viajava de Princeton em um trem, quando um condutor percorreu o corredor, perfurando os bilhetes de todos os passageiros.
Quando ele chegou a Einstein, o cientista procurou no bolso do colete o bilhete mas não conseguiu encontrá-lo; nos bolsos das calças, também não estava lá; então, ele olhou em sua pasta, mas não conseguiu encontrá-lo.
Ele ainda não conseguia encontrá-lo.
O condutor disse,
"Dr. Einstein, eu sei quem você é. Tenho certeza de que você comprou o bilhete. Não se preocupe com isso."
Einstein acenou em agradecimento.
E o condutor continuou pelo corredor perfurando bilhetes.
Quando ele estava prestes a passar para o carro seguinte, ele se virou e viu o grande físico espiando sob o seu assento à procura do bilhete.
O condutor voltou e disse:
"Dr. Einstein, Dr. Einstein, não se preocupe, eu sei quem você é. Não tem problema. Você não precisa de um bilhete. Tenho certeza que você o comprou."
Einstein olhou para ele e disse:
"Jovem, eu também sei quem eu sou. O que eu não sei é para onde eu estou indo. É por isso que eu estou procurando o meu bilhete."

25 maio, 2014

O nome da fruta

- No, não temos bananas. Temos estas frutas amarelas curvas...
- E frutas alaranjadas redondas?

Disney e o amor

Minha jovem sonhadora,
Todos esses anos, a Disney criou em você expectativas irreais sobre o amor nos trocentos filmes que fez. Vá lá que fossem todos para o seu entretenimento.
O essencial é que continua válido o conselho que diz:

NÃO FALE COM OS ESTRANHOS
A MENOS QUE SEJAM BONITOS.

Projeto Andar de Novo

por Conceição Lemes
Maior gestor de ciência do planeta bate palmas para paraplégico andando com “roupa robótica”: “Maravilhoso!”
No meio científico, todo mundo conhece o médico e geneticista Francis S. Collins.
Pudera. Foi quem coordenou o Projeto Genoma Humano.
Desde 2009, é o diretor do maior agente financiador de pesquisa biomédica do mundo: o National Institutes of Health (NIH), dos EUA.
Ele tem nas mãos um orçamento de US$ 38 bilhões. É o maior gestor de ciência biomédica do planeta.
Pois Francis Collins está em visita oficial ao Brasil e quis conhecer os laboratórios do projeto Andar de Novo, montados na AACD – Associação de Assistência à Criança com Deficiência, em São Paulo.
O projeto é liderado pelo neurocientista brasileiro Miguel Nicolelis, pesquisador e professor da Universidade Duke, nos EUA, e coordenador do Instituto Internacional de Neurociências de Natal Edmond e Lily Safra (IINN-ELS), no Brasil. Dele participam 156 pesquisadores de 25 países.


Em 12 de junho, na abertura da Copa do Mundo, no Arena Corinthians (Itaquerão), o mundo assistirá ao vivo uma demonstração do projeto e um salto da ciência: um jovem paraplégico, “vestindo” uma “roupa robótica” (exoesqueleto), dará o chute inaugural na cerimônia.

Ler tudo em VIOMUNDO

Entrevista com Miguel Nicolelis



As vitórias pouco divulgadas do Brasil
por Luis Nassif
O pessimismo geral do país é um caso clássico de esquizofrenia, alimentado por uma mídia do eixo Rio-São Paulo que perdeu a noção da notícia.
Durante dois anos, martelaram diariamente atrasos em obras da Copa, realçaram detalhes de obras inacabadas, uma campanha diuturna sobre a suposta incapacidade do país em se preparar para a Copa – como se depreciando a engenharia brasileira, os grupos privados envolvidos com as obras, os governos estaduais corresponsáveis pelo processo, a criação do clima de derrotismo se abatesse exclusivamente sobre o governo Dilma Rousseff.
À medida que a Copa se aproxima, que os tapumes das obras são retirados, os usuários descobrem aeroportos de primeiro mundo, arenas esportivas de qualidade invejável, novas estatísticas mostrando o potencial financeiro do jogos.
A FOLHA "BAIXA A BOLA DOS GASTOS ABSURDOS COM A COPA DO MUNDO" (*)
E os jornais passam a se dar conta que a Copa será a maior vitrine do país em toda sua história, com os 14 mil correspondentes, os recordes de visitantes e da audiência esperada para o televisionamento dos jogos.
Por esse sentimento permanente de baixa autoestima, provavelmente não se dará o devido valor a um feito extraordinariamente superior ao de abrigar a maior Copa do mundo da história (na opinião da Fifa): o atingimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, comprovando que o Brasil entrou em um novo estágio civilizatório.
(*) reportagem indicada por Afrânio Bizarria

24 maio, 2014

O legado etílico de Dona Carlota

Fernando Gurgel Filho
A personalidade e o caráter de Dona Carlota Joaquina ainda ecoa em terras tupiniquins, quase duzentos anos depois. Seus atributos estão presentes, mais vivos do que nunca, em alguns de ilustres moradores do Patropi que ainda se dizem brasileiros.
O escritor português Alexandre Borges, no livro "Histórias Secretas de Reis Portugueses" afirma que: "Terra de mosquitos e carrapatos" era a expressão com que ela gostava de descrever o Brasil. Procurou, repetidas vezes, contrariar o ímpeto governamental para o desenvolvimento do território e tudo fez para que jamais aqui passasse de uma colônia."
Além disso, vivia tentando desestabilizar o reinado do próprio marido, o rei D. João VI, e, por diversas vezes, jogou filho contra pai, irmão contra irmão, tudo o que sabia fazer para atrapalhar o governo. E era a única coisa que sabia fazer.
Alguma semelhança com o comportamento de alguns "brasileiros"?
Pois tem mais, segundo Alexandre Borges: "Não descansou um só dia enquanto não regressou à Europa e era frequente ouvi-la gritar que ficaria cega quando entrasse em Lisboa, dado que vivera anos no escuro, vendo somente negros."
A primeira imperatriz dessa tribo, a julgar pelos historiadores, deixou uma única contribuição positiva ao povo brasileiro, a invenção da caipirinha. "A confirmar-se, terá sido o único contributo da megera-rainha para o bem do Brasil. Ou melhor, da humanidade", afirma Alexandre Borges.
Em suma, apenas isto a distingue de alguns de nossos ilustres moradores do Patropi, que ainda se dizem brasileiros: Carlota Joaquina nos deixou a caipirinha, fruto de suas bebedeiras. Os que herdaram sua personalidade, pretendem deixar o quê? Terra arrasada e miséria?
N. do E.
Essa da invenção da caipirinha pela Dona Carlota Joaquina de Bourbon, embora não confirmada, acabo de incluí-la em meu artigo Inventos Brasileiros. Tem jeito de cultura assimilada dos nativos, uma suspeita que, aliás, não existiria se ela tivesse inventado o bourbon. Mas, tudo bem, do lado de baixo do Equador, é melhor a gente pecar por embriaguez do que por sobriedade.

A impressora foi ficando sem tinta

Bits and Pieces

Trate-o camaleão

Secretária eletrônica de hospício

Obrigado por ter ligado a este frenocômio.
Se você é obsessivo-compulsivo, aperte repetidamente o número 1.
Se você é dependente, peça a alguém que aperte o número 2.
Se você tem múltipla personalidade, aperte 3, 4, 5 e 6.
Se você é paranoico, nós sabemos quem é você, o que você faz, e o que quer. Espere na linha enquanto rastreamos sua chamada.
Se você é disléxico, aperte 69696969.
Se você sofre de alucinações, aperte o 7 nesse telefone colorido gigante que você (e só você) vê a sua direita.
Se você é esquizofrênico, escute cuidadosamente e uma pequena voz interior lhe indicará o número a pressionar.
Se você é depressivo, não importa que número aperte. Nada vai lhe tirar de sua lamentável situação.
Se você sofre de amnésia, aperte 8 e diga em voz alta seu nome, endereço, telefone, carteira de identidade, CPF, data de nascimento, estado civil, o sobrenome de solteira de sua mãe e de Josefina Bonaparte.
Se você sofre de indecisão, deixe sua mensagem depois de escutar o sinal... ou antes do sinal... ou durante o sinal.
Se você sofre de perda de memória a curto prazo aperte 9.
Se você tem a auto-estima baixa, por favor desligue. Todos os nossos operadores estão ocupados atendendo pessoas mais importantes que você.
Fonte: Internet, com modificações
Imagem: veio daqui

23 maio, 2014

O piloto feliz

É preciso comentar?

Esta fotografia é uma resposta a... 
O ciclista feliz e O motorista feliz.

Como deixar sua EX com ciúmes


“Qual é o certo: ‘making off’ ou ‘making of’? Costumo usar o primeiro, mas já vi dos dois jeitos.” (Anelise de Souza)
Responde Sérgio Rodrigues, Blog Sobre Palavras

As lâmpadas

(haicais do PG)
boçal o soquete
que espalha ser a lâmpada
somente tiete

o sonho do archote
é (numa noite de inverno)
virar holofote

por demais ilustre
foi que a lâmpada pavoa
soltou-se do lustre

ó farol de milha
belo é teu facho hiperbólico
porém não humilha


Chave geral para o leitor desligar tudo no final.
Enfim, uma ideia luminosa!

22 maio, 2014

Maldade

"Matematicamente" falando:
Seis homens carregam um piano enorme e muito pesado pelas escadas de um prédio em Lisboa.
No 4º andar, um deles resolve ir ver quantos andares faltam. Volta e diz:
- Tenho duas notícias, uma boa e uma má.
Um deles responde:
- Conta só a boa, a má... tu contas quando chegarmos!
- Ok, faltam 6 andares.
Continuam a subir e quando chegaram ao 10º andar, um deles pergunta:
- Qual é a má notícia?
- O prédio não é este!
(enviada por Fernando Gurgel)

"O piano é um instrumento que o alemão fabrica, o italiano toca, e o português carrega." – Ary Toledo

Quem te vê, quem te viu

Estes legumes, frutas e raízes estão começando a se comportar de um modo estranho.
Com toda a ciência dos alimentos ora disponível não é de admirar que muitos deles passem a se considerar mais do que um mero produto. Eles estão começando a mudar a forma, a criar membros e a fazer brotar recursos faciais a fim de se misturar com a população humana e animal que, normalmente, costuma mastigá-los sem dó nem piedade.
É um truque bastante inteligente. Porque quem iria querer comer um vegetal humanoide ou que se parece com um gracioso patinho?
Quem te vê, quem te viu. Agora são os "vegans", cuja missão na vida tem sido a de devorá-los, que estão assumindo os papéis de vilões.
Confira, ao lado, o estágio evolutivo a que um nabo(?) chegou.

O jaçanã

A vegetação que cresce à superfície de lagos e açudes é o lar de muitos insetos e outros invertebrados. Mas eles não são para o bico de todas as aves. São, especialmente, para a alimentação daqueles pássaros que conseguem andar - sem submergir - sobre as folhas da vegetação aquática.
Que pássaros preenchem este requisito?
Digite: jaçanã.
Na verdade, os jaçanãs distribuem-se em oito espécies que vivem na zona tropical de nosso planeta.
Um longo processo evolucionário dotou-os de pés proporcionalmente enormes que facilitam a locomoção sobre a vegetação flutuante.
É esta aparente habilidade de caminhar sobre as águas que faz com que sejam também chamados de... aves Jesus.

The Ark in Space

Arquivos
Slideshows Sobre as águas e Jesus Cristo caminha sobre as águas

Da série "canções para criaturas incomuns"
Vídeo de Michael Hearst dedicado ao Basiliscus basiliscus, o lagarto Jesus Cristo!


21 maio, 2014

Rocky 7

ROCKY: UM PIMENTÃO

A cidade azul

Uma pequena cidade do Noroeste de Marrocos é bastante popular entre os turistas por sua cor predominantemente azul. (*)
É Chefchaouan, uma cidade de 40 mil habitantes localizada no coração das montanhas de Rif, sob as sombras de dois picos chamados Ech-Chaoua (Os Chifres).
Na década de 1930, Chefchaouan era habitada por refugiados judeus. Como parte de sua tradição, os judeus pintaram de azul suas casas, inspirados em que a mansão celestial era também azul. Embora eles não sejam mais a maioria da população, os seus atuais moradores continuam seguindo a tradição de pintar as casas e ruas da cidade com a cor azul.


(*) Mas não exclusivamente por isso. A idílica Chefchaouan é também um popular destino de compras de produtos de artesanato, queijos de cabra e da maconha que é amplamente cultivada no Norte de Marrocos.

A aldeia azul

Coisa com coisa - 4



COISA COM COISA: 1, 2 e 3

20 maio, 2014

Comentando o Pré


Enquanto a Petrobras avança no Pré-sal o Governo do Estado de São Paulo avança no Pré-lama. – Jota A. Botelho

Dez frases sobre a ciência

“Na ciência, o crédito vai para o homem que convence o mundo de uma ideia, não para aquele que a teve primeiro”. (William Osler)
“Se você quer os acertos, esteja preparado para os erros.” (Carl Yastrzemski)
“A ciência se compõe de erros que, por sua vez, são os passos até a verdade.” (Julio Verne)
“Se o conhecimento pode criar problemas, não é através da ignorância que podemos solucioná-los.” (Isaac Asimov)
“A ciência é o melhor instrumento para medir a nossa ignorância”. (Paolo Mantegazza)
“A vaidade de muita ciência é prova de pouco saber”. (Marquês de Maricá)
“A ciência é uma disposição de aceitar os fatos mesmo quando eles são opostos aos desejos”. (Burrhus Frederic Skinner)
“A ciência nunca resolve um problema sem criar pelo menos outros dez”. (George Bernard Shaw)
“O homem gosta de surpreender-se, e isso é a semente da ciência”. (Autor desconhecido)
“A pesquisa básica é como atirar uma flecha para o ar e, onde ela cair, pintar um alvo”. (Homer Adkins Burton)

A taça de vinho perfeita

AmyOops
Aceita uma taça?

19 maio, 2014

Banho com peixes

Em 1982, Lawrence Robinson, de Michigan, patenteou a invenção de uma banheira inserida em um grande aquário externo.
Segundo ele, a sua banheira possibilitava o usuário tomar banho, literalmente cercado por criaturas da vida aquática. O Fish Bath, como era chamado o invento, conectava-se a uma fonte de água limpa, a um sistema de renovação e borbulhamento de ar, e estava selado contra a infiltração por espuma de sabonete. Além disso, por sua concepção transparente, permitia a visualização do aquário tanto do interior quanto do lado de fora da banheira.

http://totallyabsurd.com/fishbath.htm

Eu pergunto: o que os peixes acharam disso?

Restaurante suíço impõe multa a consumidor não responsável

Por doze francos, os clientes podem comer à vontade no restaurante Patrizietta, em Ascona, Suíça. Mas há uma condição: ninguém está autorizado a desperdiçar comida; e se alguém fizer isso, vai ser cobrado em cinco francos extra.
Essa medida é uma iniciativa do novo proprietário do restaurante, Giovanni Tafuro, que assumiu a casa em abril e logo descobriu que uma quantidade enorme de comida estava sendo desperdiçada durante o almoço.
O proprietário disse "que essa prática era legal e que tinha sido bem recebida pelos clientes do Patrizietta".
"Eu queria enviar um sinal forte", disse Tafuro ao diário alemão 20 Minuten. "Causava-me mal-estar ver tanta comida sendo jogada fora."
A ideia dessa multa é desencorajar as pessoas a desperdiçar comida. Ele disse que os clientes são antecipadamente avisados ​​sobre a nova regra do restaurante, a qual é claramente mencionada no menu e no balcão do buffet.
De acordo com vários estudos, o equivalente a uma refeição por dia por pessoa é perdida como resíduos alimentares na Suíça.

As renas da Ilha de São Mateus

Em 1944, a guarda costeira dos Estados Unidos inaugurou uma estação de navegação na Ilha de São Mateus
Esta ilha, localizada no mar de Bering, Alasca, é bastante isolada.
Juntamente com o pessoal  da estação, foram levadas 29 renas para ilha. Elas serviriam de alimento em caso de necessidade.
Após a Segunda Guerra Mundial, as autoridades decidiram abandonar a estação e deixaram as renas na ilha. Não havia nenhum predador por lá que as ameaçasse.


Dedicadas à boa vida, a população de renas na ilha chegou a 1.350 em 1957 e a 6.000 em 1963.
Em 1966 eram 42, especificamente 41 fêmeas e um macho estéril.
Em 1980 não havia nenhuma..
As renas da Ilha de São Mateus são muitas vezes apontadas como exemplo dos problemas causados ​​pela superpopulação e de como os ecossistemas são autorreguláveis.
Talvez devêssemos tomar nota disso.

18 maio, 2014

Sobre o complexo de vira-latas de alguns artistas brasileiros

“Fico triste ao ver artistas brasileiros, meus colegas, tão mal informados.
Imagino que, com suas agendas cheias, não tenham muito tempo para procurar diferentes fontes para a mesma informação, tempo para ouvir e ler outras versões dos acontecimentos, isso antes de falar sobre eles em entrevistas, amplificando equívocos com leituras rasas e impressionistas das manchetes de telejornais e revistas ou, pior, reproduzindo comentários de colunistas que escrevem suas manchetes em caixa alta, seguidas de ponto de exclamação.
Fico triste ao ler artistas dizendo que não dá mais para viver no Brasil, como se as coisas estivessem piorando, e muito, para a maioria. Dizer que não dá mais para viver no Brasil logo agora, agora que milhões de pessoas conquistaram alguns direitos mínimos, emprego, casa própria, luz elétrica, acesso às universidades e até, muitas vezes, a um prato de comida, não fica bem na boca de um artista, menos ainda de um artista popular, artista que este mesmo povo ama e admira. Em que as coisas estão piorando? E piorando para quem? Quem disse? Qual a fonte da sua informação?
Fico triste ao ouvir artistas que parecem sentir orgulho em dizer que odeiam política, que julgam as mudanças que aconteceram no Brasil nos últimos 12 anos insignificantes, ou ainda, ruins, acham que o país mudou sim, mas foi para pior. Artistas dizendo que pioramos tanto que não há mais jeito da coisa 'voltar ao normal', como se normal talvez fosse ter os pobres desempregados ou abrindo portas pelo salário mínimo de 60 dólares, pobres longe dos aeroportos, das lojas de automóvel e das universidades, se 'normal' fosse a casa grande e a senzala, ou a ditadura militar. Quando o Brasil foi normal? Quando o Brasil foi melhor? E melhor para quem?
A mim, não enrolam. Desde que eu nasci (1959) o Brasil não foi melhor do que é que hoje. Há quem fale muito bem dos anos 50, antes da inflação explodir com a construção de Brasília, antes que o golpe civil-militar, adiado em 1954 pelo revólver de Getúlio, se desse em 1964 e nos mergulhasse na mais longa ditadura militar das Américas. Pode ser, mas nos anos 50 a população era muito menor, muito mais rural e a pobreza era extrema em muitos lugares. Vivia-se bem na zona sul carioca e nos jardins paulistas, gaúchos e mineiros. No sertão, nas favelas, nos cortiços, vivia-se muito mal.
A desigualdade social brasileira continua um escândalo, a violência é um terror diário, 50 mil mortos a tiros por ano, somos campeões mundiais de assassinatos, sendo a maioria de meninos negros das periferias, nossos hospitais e escolas públicos são para lá de carentes, o Brasil nos dá motivos diários de vergonha e tristeza, quem não sabe? Mas, estamos piorando? Tem certeza? Quem lhe disse? Qual sua fonte? E piorando para quem?”

Saltando aos 80

O pesquisador cearense Miguel Ângelo de Azevedo, também conhecido por Nirez, comemorou seus 80 anos idade, no último dia 15, com a realização de um antigo sonho.
Dar um salto de paraquedas, o que fez com o apoio do sanfoneiro Waldonys.
Fontes: Nonato Albuquerque - Gente de Mídia e Luciano Hortencio - LN Online

Regojizo-me com os recentes feitos do musicólogo Nirez, postando em homenagem a ele este vídeo com a música "Paraquedista", um choro-gafieira de José Leocádio, na versão do maestro Urbano Medeiros.



Pesquisando Nirez aqui
O rolo que deu rolo | O berço do forró | Miss Hermengarda | Fortaleza de ontem

Correspondência
Ao Paulo Gurgel:
Rolo pornográfico é impagável.
Editei Waldick Soriano, ainda no tempo de sua 8 baixos, interpretando "Paraquedista". Utilizei a excelente foto do Nirez sobrevoando Fortaleza, com seu instrutor, logo após saltar de paraquedas em comemoração ao seu aniversário de 80 anos. Espero que gostes.
Luciano Hortencio
Ao Luciano Hortencio:
Gostei. Conhecia de Waldick a carreira de cantor ("Perfume de gardênia", "Angústia" etc.) e de compositor ("Tortura de amor", "A carta" e "Eu são cachorro, não", esta última vertida para a língua que Snowden chora em seu exílio como "I am not dog, no" pelo grande Falcão). Além disso, conhecia a fama de boêmio, macho assumido e grande conquistador do baiano bom de briga, mas essa de que ele tocava uma sanfona de oito baixos, não. Procura que procura, encontrei na internet que ele até gravou um LP inteiro tocando sua oito baixos e, no Jornal da Besta Fubana, também achei uma fotografia em que ele aparece, com a sanfona, em um dos programas do Flávio Cavalcanti. Ao que parece, "Durango Kid" também tocava violão, mas ignoro o nível.
Paulo Gurgel
Ao Paulo Gurgel:
Fiquei emocionado quando vi o Waldick Soriano tocar sua sanfoninha de oito baixos no show no Cine São Luis, para o filme que a Patricia Pilar estava rodando sobre ele.
(...) "encontrei na internet que ele até gravou um LP inteiro tocando sua oito baixos". Onde encontrastes? foi digitalizado? ainda tens?
No aguardo ansioso,
Gerardo Barbosa
Ao Gerardo Barbosa:
Todo o meu acervo de vinil, no qual se incluía um LP do Waldick (não era o que você procura), teve um fim trágico.
Leia aqui a história.
Na internet, porém, é possível encontrar informação sobre a existência desse disco (imagem da capa), cujo título é "Sua Majestade a 8 baixos, com Waldik Soriano e seu Conjunto". Foi lançado pela "Chantecler" em 1962 (CH-3038), e o choro Paraquedista" é a segunda faixa do lado 1.
O site Forró em vinil, além de dar essa informação, permite baixar o disco.
Paulo Gurgel
Ao Paulo Gurgel:
Ouvi a música "Paraquedista", com o conjunto do Waldik Soriano, no YouTube e baixei o disco do site "Forró em vinil".
Em ambos tem um telefone tocando em, pelo menos, dois momentos da música.
Será que no disco original tem isso mesmo?
Fernando Gurgel
Ao Fernando Gurgel:
Segundo Cravo Albin, "Paraquedista" foi lançado em 1946 pela Orquestra Tabajara, da qual o autor José Leocádio era um dos integrantes. Ponho o link (http://youtu.be/6By3qUR53MQ) para você conferir se o telefone também tocou, intencionalmente ou não, durante a gravação original.
Nos últimos dias, "Paraquedista" e "Seu Libório", esta outra de Braguinha e Alberto Ribeiro (http://youtu.be/2gy-6rVzg6s) andam "chicleteando" em minha cabeça. Não é que essas duas músicas apresentam trechos musicalmente coincidentes na segunda parte, quando elas passam para a dominante do relativo menor?
Há coincidência de linhas melódicas em alguns compassos, mas não parece haver um plágio musical.
Paulo Gurgel

Cidadão Orson

Narração
Em 1938, quando o rádio era a Internet, o então roteirista e locutor Orson Welles (1915 - 1985) semeou o pânico entre milhares de ouvintes distraídos ao encenar uma versão de "Guerra dos Mundos", de H. G. Wells, como se fosse um programa de notícias ao vivo. Pura "trollagem" vintage.
Os 10 Pais da Cultura Digital, Infográfico DZESTUDIO

Documentário
As imagens neste vídeo são de um documentário inacabado do Orson Welles chamado "Four Men on a Raft" (Quatro homens em uma balsa). É uma reconstrução de uma viagem numa jangada de vela, que quatro pescadores cearenses fizeram de Fortaleza para o Rio de Janeiro, então capital do Brasil, para apresentar pessoalmente as suas queixas ao presidente Getúlio Vargas.
Fundo musical: "Suíte dos Pescadores", de Dorival Caymmi.


17 maio, 2014

Voo livre

Fernando Gurgel Filho
Não, não quero ter asas!
Se as tivesse, voando,
Sonharia, lá do alto,
Como seria bom ir caminhando.

Prefiro meu passo lento,
Brisa no rosto, sol queimando,
A imaginação solta, livre,
Para o alto, leve, me levando.

Deixo as asas para os pássaros,
Que não sabem andar, voando,
Eu tenho asas nos pés de chumbo,
Que me levam livre a voar, andando.

Como Edmund Wilson dizia NÃO

"Não sou propriamente um poeta, mas sou alguém dessa espécie." EW
Aqui está o formulário que o crítico literário Edmund Wilson usava para recusar pedidos de estranhos:


Não, Edmund não era ermitão nem antissocial. Ele apenas otimizava o tempo de que dispunha para as pessoas que ele apreciava, não permitindo que os estranhos interferissem com essa opção.

Compare este formulário com o que divulguei na postagem "Embromation".

Jogos de adivinhação

Nos asilos de idosos passa-se o tempo em jogos de adivinhação. Num destes, o interno procura acertar o que é a tatuagem de um companheiro.


16 maio, 2014

O Baobá Bule

Recebeu este nome devido à forma que assumiu (de bule).
Esta e outras árvores semelhantes podem ser vistas em Ifaty, Madagascar.
O baobá, que está sendo mostrado na foto, tem cerca de 1.200 anos de existência e é capaz de armazenar mais 117.000 litros de água para resistir aos períodos de seca da região.

THE WORLD GEOGRAPHY

A Peste em Givry

Givry possui o mais antigo registro paroquial da França. O livro, escrito pelos padres locais, mostra o dinheiro recebido para as cerimônias religiosas (nas primeiras 42 páginas) e os batismos, casamentos e enterros da paróquia (da página 43 à 83), no período 1303-1357.
É realmente informativo sobre as consequências da Peste (que dizimou grande parte da população europeia) na referida aldeia. Assim, antes de 1347, aconteciam de 4 a 5 enterros por mês. Mas, entre 28 de julho e 19 de novembro de 1348, foram registrados 620 enterros. Somente no dia 10 de setembro foram enterradas 24 pessoas, tanto quanto no ano anterior.
Nenhum casamento foi celebrado entre o início da epidemia e o final do ano.


Trilussa e Missiroli

"Meu amigo Trilussa", conta Pitigrilli num dos seus livros de memórias, recebeu uma carta de uma jovem pedindo-lhe que lesse o manuscrito do romance que ela havia escrito. A carta acabava com a seguinte frase: "É provável que eu tenha deixado de fora uma ou outra vírgula - o senhor pode acrescentá-las."
"Da próxima vez", respondeu Trilussa, "basta você mandar as vírgulas. Pode deixar que eu escrevo o romance."

Na época em que era editor de Il Messaggero, Mário Missiroli foi procurado por um autor interessado em publicar obras suas, a respeito das quais vinha ouvir a opinião dele. Para frisar bem seu repúdio pelo fascismo, o homem declarou: "Esse regime me impediu de escrever durante 20 anos. Por 20 anos , tive de ficar calado!"
Missiroli, que corria os olhos pelo manuscrito, retrucou: "Mas você poderia pelo menos ter aproveitado o seu tempo lendo."

15 maio, 2014

Percussão no gelo

Um grupo de percussionistas da Sibéria consegue tirar um som legal batendo na superfície congelada do Lago Baikal.
Eles encontraram, por acaso, que o gelo do lago produz sons distintos ao ser percutido em pontos diferentes. O passo seguinte foi dar ritmo a essa descoberta.
"Eu me senti como se estivesse tocando em uma bateria que a Natureza nos deixou sobre as águas congeladas do lago mais magnífico do mundo", disse a arquiteta Natalya Vlasevskaya, 31, organizadora do grupo de excursão percussão Etnobit (ЭТНОБИТ).



Você sabia?
O Lago Baikal é o lugar que concentra 20 por cento da água doce não congelada da Terra. ALT1040

Pondo a mãe na foto



Esta menina perdeu a mãe na guerra e, no pátio do orfanato, desenhou-a com giz e aninhou-se num colo (ventre) que não existe mais, deixando de fora as sandálias para respeitá-la  como manda a cultura oriental ao se entrar num local santo.

"O amor faz do outro sagrado."

Internet (enviada por Germano Gurgel)

Animais transparentes

Natureza: fascinante e surpreendente
Algumas criaturas utilizam técnicas de camuflagem como um recurso de caça e defesa; outros mostram tudo o que têm, literalmente. Este post é dedicado a estes últimos.
Apesar do que somos inclinados a pensar, não é só nos abismos dos oceanos que vivem os animais transparentes e translúcidos. Eles vivem também na terra.
Aqui (www.pxleyes.com) nada é photoshop!


As asas são as janelas da alma
Greta oto, uma espécie encantadora de borboleta que, com suas asas completamente transparentes, até confunde a ciência.

Arquivo transparência
Leptocephalus

14 maio, 2014

Super Likes

Se os super-heróis tivessem páginas no Facebook eles precisariam de "likes" adequados. Não seria admissível que eles assinalassem suas aprovações na rede social com uma mãozinha igual a de todo mundo, não é mesmo?
Foi pensando nessas necessidades especiais dos super-heróis que o artista gráfico colombiano Jaime Calderón, de Bogotá, criou os ‘Super Likes’: as versões super-poderosas de um símbolo mundialmente famoso do Facebook.

O Pequeno Darth Vader

Imagem: Nukamari, Flickr - Legenda: PGCS

O elevador

Cartoon

Slideshow
(porque nem todo elevador é expresso)


Vídeo
Elevator Joy Bomb

Arquivos
- do EntreMentes: A beldade e o ascensorista, Estresse e gravidade, Esperando o elevador e O elevador expresso
- do Preblog: A flor do aborrecimento e O lar singular de Jorge George

13 maio, 2014

Mafalda, uma garota de 50 anos

A popular personagem de Quino comemora seus 50 anos em 2014. Ainda que suas tiras não sejam mais publicadas desde 1973, Mafalda continua sendo uma figura reconhecida no plano internacional, com fãs espalhados em quase todo o planeta.
Qualquer ser humano com a sua idade já seria considerado um adulto na maturidade. Todavia, ela continua apresentando o seu apelo de criança, pois é assim que é conhecida e que se mantém no imaginário coletivo: como uma garotinha precoce e preocupada com o futuro da humanidade, questionadora da ordem estabelecida, porém, no fundo, sempre positiva.


A data de seu aniversário já tem sido motivo de polêmicas. Mas o próprio Quino publicou, em sua página web oficial, um comunicado no qual confirmou que: “El día de su primera publicación fue el 29 de septiembre de 1964 en la revista Primera Plana”, o dia que deve ser considerado como aniversário de Mafalda.
O motivo por que o argentino Quino deixou de desenhar a Mafalda foi meramente pessoal. Numa breve biografia explicou que: “Ya no siente la necesidad de utilizar la estructura expresiva de las tiras en secuencia”. Curiosamente, alguns anos atrás, propagou-se um boato - especialmente popular no México - que apontava para uma possível morte da personagem, atropelada por um caminhão de sopa  (alimento que Mafalda odeia com as mesmas forças com que ama os Beatles).


27/05/2014 - Atualizando...
Esta nota foi republicada no Jornal GGN c/ 3 comentários.

O lítio

Em sua forma pura, o lítio é um metal macio que se oxida rapidamente no ar ou na água. É um elemento sólido, porém leve, sendo empregado especialmente na produção de ligas metálicas condutoras de calor e de baterias elétricas. Os seus sais, como o carbonato e o citrato, têm sido usados no tratamento do transtorno bipolar.
Você não odeia quando está lambendo a bateria de um celular e de repente sua língua fica preta e cai?
Nós também!!!
Com este apelo, uma comunidade – a Odeio a Contaminação por Lítio – chegou a reunir 4550 membros no inesquecível Orkut.

A eletrogustação

Hutchinsonite

Se o inferno for constituído por uma rocha em particular, provavelmente será hutchinsonite. Descoberto em 1904 por Arthur Hutchinson, professor de Mineralogia da Universidade de Cambridge, o hutchinsonite é uma mistura de enxofre, tálio, chumbo e arsênico. Três desses quatro minerais são letais para os seres humanos, e o quarto, enxofre, não é muito agradável também.
Mindat, o maior banco de dados de minerais na internet, adverte enfaticamente: "Evitar a inalação de poeira durante o manuseio ou a fragmentação. Nunca lamber ou ingerir".
Fórmula química: TlPbAs5S9. Imagem ►